sábado, 14 de agosto de 2010

A visita do Patriarca Gregorios III à cidade de Taubaté-SP

Por Henrique Faria
Numa belíssima cerimônia acontecida na pequena capela de Santana, em Taubaté-SP, Sua Beatitude o Patriarca Gregorios III Lahan consagrou, na noite de 10 de agosto, o novo altar, onde serão celebradas as missas no rito greco-melquita.
A visita do patriarca constituiu um dos mais importantes eventos dos últimos meses, não só para a diocese, mas também para a cidade de Taubaté, já que ele é a maior autoridade da Igreja greco-melquita no mundo, que acolhe especialmente os católicos de origem sírio-libanesa, mas que, em Taubaté, reúne fiéis de todas as origens.
Acompanhado de dom Fares Maakaron, eparca (arcebispo) para a comunidade greco-melquita do Brasil, Gregorios III foi recepcionado, como visita de honra, pelo prefeito municipal, Roberto Peixoto e, na sua chegada à igreja de Santana, pelo bispo emérito de Taubaté, dom Antonio Affonso de Miranda, representando dom Carmo João Rhoden que, por compromissos anteriormente agendados, encontrava-se em viagem.
O povo o acompanhou, em caminhada pela rua Afonso Moreira, desde a residência do padre Dimitrios Bertani, até a igreja, no Largo de Santana. Muito aplaudido pelo povo que lotava a capela, Sua Beatitude iniciou seu compromisso com a consagração do pequeno altar, logo depois iniciando a celebração da Divina Liturgia – nome que os católicos greco-melquitas dão à Missa.
No presbitério, a diocese de Taubaté encontrava-se representada por dom Antonio Affonso, monsenhor Marco Eduardo Jacob Silva – que mostrou-se inteiramente familiarizado com a celebração diferente do rito latino – e pelo frei José Moacyr Cadenassi, capuchinho do convento Santa Clara. Gregorios III mostrou-se extremamente simpático, inclusive orientando dom Antonio no acompanhamento da liturgia através de um livro próprio para a ocasião, dirigindo a celebração algumas vezes em árabe, outras em francês, grego, italiano e português. Sua homilia foi simples, traduzida por dom Fares Maakaron, enfatizando onde realmente as pessoas devem encontrar a sua cruz, como carregá-la não só a sua própria, mas também a dos irmãos que passam por mais necessidades e carências.
No final da celebração, dom Antonio Affonso e o monsenhor Marco entregaram ao visitante duas placas comemorativas à data, uma pela diocese, outra pela paróquia da catedral, onde se localiza a igreja de Santana. Por sua vez, Gregorios III também ofereceu um presente a dom Carmo, através do bispo emérito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário